Imprimir  Voltar  Home 


  Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior - ANDES-SN


Data: 30/01/2018

Prefeitura de Uberlândia quer privatizar escolas municipais

A prefeitura de Uberlândia (MG) anunciou a intenção de privatizar a administração de seis escolas municipais. A empresa responsável pelo convênio ainda não foi definida, mas especula-se que a Fundação Cultural e Assistencial Filadélfia, ligada à igreja Assembleia de Deus, já tenha conversas avançadas para assumir a gestão das escolas. Foi disponibilizado um edital para a contratação de professores.

Em 2017, a prefeitura construiu oito escolas nos bairros Pequis e Monte Hebron. Porém, apenas duas receberam alunos no ano passado. São justamente as outras seis, que não abriram as portas para a comunidade, que a prefeitura quer privatizar.

A medida tem sido questionada por membros de entidades ligadas à educação, uma vez que pode ser um precedente para a privatização da gestão de escolas públicas. “É a primeira vez que um prédio público, construído com verba pública, que tem demanda, será entregue a uma ONG. Isso é um caminho que levará à privatização da educação, o que para nós é inaceitável. A educação é um direito constitucional que está sendo violado na nossa cidade”, critica a professora Marina Ferreira de Souza Antunes, presidenta do Conselho Municipal de Educação (CME). Ela afirma que o conselho não foi sequer procurado pela prefeitura para debater a proposta.

Marina também alerta para a possível piora das condições de ensino e do trabalho dos servidores da educação. “Essa ONG não vai pagar o piso salarial, não vai cumprir os acordos, nem fazer concursos ou seleção para os cargos”, destaca. Diversas entidades da cidade estão se organizando através do Movimento em Defesa da Escola Municipal Pública, Gratuita, Laica e de Qualidade para tentar barrar a proposta. Procurada, a Prefeitura de Uberlândia não retornou até o fechamento desta edição.

Privatização em Goiás

Em 2016, o estado de Goiás tentou algo semelhante, ao anunciar que repassaria a administração da rede pública de educação – tanto das escolas quanto dos institutos tecnológicos – para Organizações Sociais. Estudantes e professores travaram intensa luta contra a privatização do ensino no estado, com manifestações, ocupações e denúncias ao Ministério Público sobre irregularidades nos editais. Até o momento o processo não foi concretizado.

Edição e acréscimo de informação de ANDES-SN, imagem de Brasil de Fato.


Fonte: Brasil de Fato


0
|
0
| Denunciar

0 comentários | 2398 visualizações | 0 avaliações

Comentar esta notícia