Imprimir  Voltar  Home 


  Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior - ANDES-SN


Data: 27/04/2018

Após fortes manifestações, presidente da Nicarágua suspende reforma da Previdência

Ocupando as ruas, população conseguiu barrar ataques aos direitos de aposentadoria

O presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, revogou no último domingo (22), a reforma da Previdência Social no país, que, entre outras medidas, reduzia as aposentadorias em 5% e aumentava as contribuições.

As mudanças, impostas na semana anterior por decreto, resultaram em massivas manifestações de rua, com episódios de violenta repressão, que resultaram na morte de ao menos 30 pessoas. Ortega aceitou que não era viável implementar as mudanças na Previdência e retirou o decreto.

A reforma imposta pelo presidente da Nicarágua reduzia as aposentadorias em 5% e aumentava as contribuições das empresas e dos trabalhadores para resgatar o Instituto Nicaraguense de Seguridade Social (INSS). O governo pretendia arrecadar 250 milhões de dólares (cerca de 854 milhões de reais).

Em nota divulgada, o governo nicaraguense disse estar sendo pressionado pelo FMI e pelo empresariado privado, que impunham ataques mais severos, incluindo aumento da idade para aposentadoria, tempo de contribuição e até o fim das pensões.

“Em vez disso, a opção escolhida foi aumentar as contribuições dos trabalhadores e empregadores e estabelecer uma contribuição para os aposentados, incluindo aqueles que recebem a aposentadoria reduzida. Essa decisão teve que ser tomada rompendo pela primeira vez o consenso com o empresariado, o que é parte do nosso modelo de consenso e alianças entre governo, trabalhadores e empresários”, justificou o governo.

As organizações dos grandes empresários aproveitaram o malestar da população e também convocaram a participar nas movilizações contra a reforma da previdência e contra o governo, num comportamento semelhante ao da Fiesp aqui no Brasil. Com as manifestações, o governo revogou a medida, para abrir diálogo com os diversos setores envolvidos.

Com informações do El País e Brasil 247

*Imagem: Facebook - Grupo de Estudos América Central


Fonte: ANDES-SN


0
|
0
| Denunciar

0 comentários | 342 visualizações | 0 avaliações

Comentar esta notícia