Imprimir  Voltar  Home 


  Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior - ANDES-SN


Data: 17/05/2018

17 de maio marca Dia Internacional contra a Homofobia e a Transfobia

Em 17 de maio de 1990, a Organização Mundial da Saúde (OMS) retirou a homossexualidade da Classificação Internacional de Doenças. Desde então, a data marca o Dia Internacional contra a Homofobia e a Transfobia e virou símbolo da luta por direitos humanos e pela diversidade sexual, contra a violência, intolerância e discriminação. 

Segundo Caiuá Cardoso Al-Alam, um dos coordenadores do Grupo de Trabalho de Políticas de Classe, Questões Étnico-Raciais, Gênero e Diversidade Sexual (GTPCEGDS) do ANDES-SN, o Sindicato Nacional tem, nos últimos anos, intensificado a luta contra as opressões (dentre elas a homofobia e a transfobia) junto a categoria docente e também fortalecido a ação conjunta com demais movimentos sociais e entidades sindicais.

“Na conjuntura de recrudescimento do conservadorismo, para nós é muito importante demarcar essa agenda, que não é uma pauta específica GTPGCDES, mas de toda a categoria e vem sendo afirmada em todos os espaços do Sindicato Nacional. O que antes era visto como especificidades que se diluíam na luta de classes, hoje, para nós, são lutas referenciais. Por isso, o ANDES-SN vem ampliando seu engajamento na luta contra as opressões, inclusive no que toca aos seus materiais de divulgação e diálogo com a categoria docente”, afirma Al-Alam.

O diretor do Sindicato Nacional cita como exemplos a cartilha "Contra todas as formas de assédio, em defesa dos direitos das mulheres, das/os indígenas, das/os negras/os, e das/os LGBT", que foi reformulada no ano passado, e os documentários, produzidos em parceria com o jornalista Rafael Balbueno, da Sedufsm – SSind., “Narrativas Docentes – Memória e Resistência LGBT”  e “Narrativas Docentes – Memória e Resistência Negra”, ambos lançados no 37º Congresso da entidade, em janeiro desse ano. 

“Os documentários não só trazem o registro da história da nossa militância LGBT, mas também o olhar do trabalho docente nessas universidades, a partir desse lugar de fala. Temos muito a aprender em relação a isso. O ANDES-SN avança quando se presta a ouvir, escutar e refletir sobre essas trajetórias dentro das universidades”, explica, reforçando que o Sindicato Nacional tem diversas agendas que são referenciais nas lutas contra as opressões e que o dia 17 de maio - Dia Internacional contra a Homofobia e a Transfobia -  é uma dessas datas emblemáticas.

Violência
Em 2017, 445 lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (LGBTs) foram mortos em crimes motivados por homofobia. O número representa uma vítima a cada 19 horas. O dado está em levantamento realizado pelo Grupo Gay da Bahia (GGB), que registrou o maior número de casos de morte relacionados à homofobia desde que o monitoramento anual começou a ser elaborado, há 38 anos. Em 2016, foram registrados 343 casos. Das 445 vítimas assassinadas por LGBTfobia em 2017, 194 eram gays, 191 eram pessoas trans, 43 eram lésbicas e cinco eram bissexuais. 

*com informações da Agência Brasil

Leia também:

ANDES-SN lança documentários sobre militância docente LGBT e étnico-racial


Fonte: ANDES-SN


0
|
0
| Denunciar

0 comentários | 497 visualizações | 0 avaliações

Comentar esta notícia